Herbalismo*

A utilização de plantas com finalidade terapêutica sempre acompanhou o processo evolutivo do ser humano. Desde as tribos, civilizações, dinastias, impérios, conjunto de sistemas culturais ou crenças (religião) mais antigos até a actualidade.

Nomes como Zosimo, Hamurabi, Ebrs, Chen Nong, Teofrasto, Hipócritas, Alcindi, Arsubanipal, Avicena, Cláudio Galeno, Dioscórides, Geber, Paracelso, Samuel Hahnemann, Garcia de Orta, António Nunes, Théodore de Mayerne, entre outros, demonstraram o Conhecimento Ancestral nas plantas terapêuticas, servindo-se delas como base de toda a medicina.

O uso medicinal das plantas terapêuticas vem sido confirmado com o aumento da informação com base em métodos analíticos e ensaios clínicos sobre a estrutura química dos constituintes activos na acção fisiológica, garantindo um melhor controlo de qualidade, eficácia e segurança.

Os princípios activos são compostos químicos resultantes da síntese dos nutrientes da água e da luz solar nas plantas que vão provocar acções no organismo.

As principais propriedades terapêuticas das plantas medicinais conhecidas e comprovadas por estudos coerentes, produzem efeitos visíveis no;

Plano físico:

sistema NervosoAnsiolítico (diminui a ansiedade)
Analgésico (diminui a sensibilidade a dor)
Analéptico (estimulante)
Relaxante
Sedativo (calmante)
Soporífico (induz o sono)
sistema ImunológicoAdaptógeno (fortalece o organismo)
Anti inflamatório (combate a inflamação)
Antipirético (diminui a febre)
Anti-radicalar (bloqueia radicais livres)
Antisséptico (impede o desenvolvimento de micro- organismos)
Anti-infeccioso (combate infeções)
Bactericida (mata bactérias)
sistema LinfáticoAnti inflamatório (combate a inflamação)
Colerético (aumentam a secreção biliar)
Colagogo (estimula o fluxo biliar)
Drenagem linfática
sistema EndócrinoClimatério (menopausa)
Emenagogo hormonal
Hipertiroidismo (excessividade tiroideia)
Hipotiroidismo (insuficiência tiroideia)
Moderadores de apetite
sistema CardiovascularAnticoagulantes
Adstringente (contração dos vasos sanguíneos)
Cardiotónico (tonifica o coração)
Insuficiência cardíaca
Insuficiência coronária
Insuficiência vascular cerebral
Hipertensão arterial (aumento da pressão arterial)
Hipotensão arterial (diminuição da pressão arterial)
Hepatoprotetor (protege o fígado)
Palpitações cardíacas
Varizes
sistema RespiratórioAnticatarral (inibi as secreções)
Antitússico (acalma a tosse)
Emoliente respiratório (relaxa os tecidos inflamados)
Espasmolítico respiratório (inibe as contrações pulmonares)
Expectorante (expulsa as secreções)
Mucolítico (diminui o muco)
sistema DigestivoAntiespasmódico (inibe os espasmos)
Digestivo (favorece a digestão)
Dispepsia (desconforto digestivo)
Eupéptico (facilita a digestão)
Inflamações gástricas
Espasmolítico (inibe contrações digestivas)
Dispepsia (má digestão)
sistema UrinárioAnti inflamatório (combate a inflamação)
Cálculos renais.
Diurético (aumenta a secreção urinária)
Diurético anti-sépticos (protegem os rins)
Depurativo (elimina toxinas)
Hipertrofia da próstata.
Incontinência
Síndromas pré e menstruais.
sistema IntestinalAntimicótico (expulsa, mata vermes)
Antiparasitário (expulsa, parasitas)
Carminativo (atenua os gazes intestinais)
Cólicas
Diarreia
Hemorroidal
Laxantes.
Flatulência.
sistema MuscularAntiespasmódico (inibe os espasmos)
Anti inflamatório (combate a inflamação)
Analgésico (diminui a sensibilidade a dor)
Emoliente (relaxa os tecidos inflamados)
Entorse (lesão ou rutura dos ligamentos)
Mialgia (dor muscular)
Tendinite (inflamação num tendão)
sistema EsqueléticoAnti inflamatório (combate a inflamação)
Analgésico (diminui a sensibilidade a dor)
Artrite
Contusões
Emoliente (relaxa os tecidos inflamados)
Reumatismo.
sistema CutâneoAntifúngico (actua em fungos)
Anti inflamatório (combate a inflamação)
Emoliente (relaxa os tecidos inflamados)
Caspa
Celulite
Cicatrizante
Contusões
Dermatite (inflamação da pele)
Eczema
Esfoliante
Estrias
Ferúnculos
Hemostático ( favorece a coagulação do sangue)
Perda e cabelo
Rejuvenescedor

Plano Mental:

  • Apatia.
  • Ansiedade.
  • Dependências.
  • Humores.
  • Nervosismo.
  • Pânico.
  • Stress.

O.M.S.

A Organização Mundial de Saúde define “saúde” como “um estado completo de bem-estar físico, mental, emocional, social e não somente ausência de afecções e enfermidade.” (1).

A Organização Mundial de Saúde em 1970 determinou a importância da medicinas alternativas para a promoção da saúde e em 2002 organizou o grupo das Medicinas Alternativas (MA).

As Plantas Terapêuticas estão entre os principais recursos terapêuticos integrados na Medicina Alternativa Complementar (MAC) e na Medicina Tradicional (MT) (2).

Inclui plantas “inteiras”, material de plantas., preparados vegetais, e produtos finais herbáticos que contêm como ingredientes activos, partes das plantas” não princípios activos isolados”, materiais de plantas ou outros derivados (3).

Dados da OMS mostram que cerca de 80% da população mundial fez o uso de algum tipo de erva na busca de alívio de alguma sintomatologia dolorosa ou desagradável. Desse total, pelo menos 30% deu-se por indicação médica (4).

Esta terapêutica trata e previne a ausência de saúde física, mental e emocional através da utilização de plantas” (5).

(1) Conferência Internacional de Saúde, Organização Mundial da SaúdeOMS, 1948.

(2) Organização Mundial de Saúde, 2001.

(3) Estratégia de OMS sobre medicina tradicional – 2002-2005.

(4)Organização Mundial de Saúde. Política nacional de medicamentos fitoterápicos tradicionais e reguladores. Relatório de uma pesquisa global. Génova: Organização Mundial da Saúde; 2005.

(5) Terapias Não Convencionais Tipificadas na Lei Portuguesa, Lei n.o 71/2013.

(*) Aconselha-se o acompanhamento por um fito-terapeuta para a correta utilização das plantas terapêuticas. Nunca substituir ou interromper um tratamento médico sem acordo do mesmo.