“A peregrinação é, de facto, um acto de higiene moral, uma espécie de desporto místico que mantém um equilíbrio harmonioso entre todas as faculdades da psique do indivíduo, e implementa todas as forças ocultas que tendem à constituição das sociedades. Os seres nos quais o sentido da natureza não foi obliterado entenderam isso, e eles permaneceram surdos ao melhor raciocínio construído e as críticas mais duras.” (pág.12)

“Locais de peregrinação sempre incluem, além disso, alguma figura simbólica, às vezes fechado em um tabernáculo ou em um monumento às vezes livremente exposto em uma floresta ou em um montanha, seja efígie, estátua, rocha, pedra geométrica ou fonte. Seja qual for a sua natureza, constitui o ponto central, o ecrã na qual as energias escapam aos indivíduos,…” (pág.13 e 14)

“Finalmente, o indivíduo ávido por conhecer a suprema Verdade encontra, nos locais de peregrinação, um ensinamento invisível que não poderia adquirir em sua residência habitual.” ” O Peregrino retorna ao seu país, particularmente confortado, tendo penetrado um pouco no supremo segredo das coisas: ele retorna, tendo se realizado e é iniciado.”(pág.14)

tradução de miguel martins, Les Foyers de mysticisme populaire, Grillot de Givry, 1930.

Vias lusitânas.

Caminhos de PORTu-GrAal que permitem a transmissão do Saber Hermético na edificação das duas principais colunas. Arte e Filosofia. Utensílios no florescimento consciente do Ser.

Via estrelar.

Um dos 4 Grandes Caminhos de peregrinação planetária europeia do Conhecimento Ancestral. Corpo, Alma e Espírito. Riqueza, Saúde e Conhecimento.